15 C
Cambira, BR
terça-feira, Maio 22, 2018

HISTÓRICO RURAL

A colonização de Cambira foi feita pela Companhia Melhoramentos Norte do Paraná, que loteou e vendeu as terras aqui situadas. Assim, não tivemos aqui problemas relacionados com a posse de terras, o que se constitui num fato marcante para a paz e tranqüilidade de nossas famílias que não tinham também as aspirações políticas, eis que pertencentes ao Município de Apucarana. A abertura dos lotes rurais deu-se por etapas.

A primeira família a abrir e formar roça em Cambira foi a do Sr. Francisco Carneiro de Souza, que em 1936 derrubou alguns alqueires de mata no lote nº 109/110 da Gleba Cambira, fez plantações de café, cereais, cana, mandioca e retornou a Jacarezinho. Aqui fixou residência em definitivo em 1939, quando veio com a esposa e sete filhos. Em sua propriedade a família produzia rapadura, açúcar e industrializava farinha, comercializando cereais em Apucarana. Cedeu ainda área para o 1º campo de futebol de Cambira, para a prática desse esporte até inícios da década de 1950.

A primeira família a fixar residência em Cambira foi a família Piovesan. No dia 05/07/1937 o Sr. João Piovesan, vindo de Pirajuí, acampou na legendária Figueira (hoje inexistente), iniciando a abertura do lote nº 106/107 da Gleba Cambira, construindo um rancho que serviu de moradia para a família, que aqui chegou em 25/09/1937, num caminhão dirigido pelo Sr. Honório de Castro, trazendo seus filhos Rosa, José, Gildo, Antonio,Vitório e Aquiles Piovesan.

No mesmo ano o Sr. Pedro Blanco abria seu lote na Gleba Dourados. Em 1938, na região da Bela Vista chegavam Dito Alves, Carrascoso, Grossi e José Rodrigues, em 1939 a família Campanholi, e na Jangadinha a família Marafon, há muitos anos aqui residente.

Na região norte do município, que compreende os bairros Bejoim e Santa Luzia, já no início da década de l940 estabeleceram-se as famílias Nogueira e Lourenco; em 1942 a família Garcia e em 1950 Roldão Freire, primeiro pecuarista daquela regiã

Pioneiro que muito contribui com Cambira foi Zacarias Alves Domingues. Ele tinha dois ônibus que faziam a linha 300 Alqueires-Cambira-Apucarana. Era dono de uma venda no Município, que abastecia todas a região. Tansporte de ônibus também era negócio de Iliano Casini, que possuía três veículos fazendo a linha Bairro Sete de Maio-Itacolomi-Cambira.

A fertilidade da terra rocha para o cultivo do café fez com que viessem migrantes de vários Estados. O fluxo maior de migrantes deu-se no período compreendido entre 1940 e 1942, ocasião em que aqui aportaram as famílias mais tradicionais do Município, adquirindo terras e aqui fixando residências. Esta migração estendeu-se até o início de 1950. Foi assim que deixaram seu nome registrado na história cambirense.

HISTÓRICO URBANO

A Companhia Melhoramentos Norte do Paraná, colonizadora desta vasta e rica região, não acreditou que pudesse surgir uma cidade tão próxima de Apucarana e de Jandaia do Sul. Assim, projetou a Vila Itacolomi, com 314.000 m2, equivalente a 12,97 alqueires, que se constitui hoje na sede do município de Novo Itacolomi. A força de vontade e a confiança no futuro estavam impressos em alguns de seus pioneiros.

Assim, em 1947, o Sr. Marcos José Calsavara, que aqui aportou em 1946, loteou parte de sua propriedade rural em 62 lotes e uma praça posteriormente extinta, loteamento este a que denominaram de Vila Formosa, e que se constitui no primeiro loteamento devidamente regularizado como tal, e assim oficialmente fixado como marco inicial de Cambira.

Da mesma forma, em 1954, Júlio Sapatini, Geraldo Marcato e Cecílio Nakad adquiriram de João Davantel uma área com 245.40l,93 m2 e a desmembraram em lotes urbanos, constituídos pelas Quadras de nº 1 a 18, a que denominou-se Loteamento Primitivo de Cambira. Sendo a área desmembrada do lote maior nº 134, foram as escrituras sendo outorgadas por João Davantel ou seu procurador, daí porque, embora sendo ele o primitivo loteamento, não foi como tal oficializado junto ao Cartório do Registro de Imóveis.

Inicialmente denominada de Vila São José do Cambira, foi ela elevada à condição de Distrito em 1953, com suas delimitações definidas pelo Decreto nº 30/53 de 26/11/53.

OUTROS INFORMES SOBRE CAMBIRA:
O sr. Diogo Ávila Munhoz, pai da tradicional família Ávila Munhoz (Diogo Jerônimo, bem como as esposas dos Srs. Angelo Mincachi e Antonio Pappa), era proprietário do lote de terras que atualmente pertence ainda aos seus descendentes. Seu neto João Perez Munhoz é o vice-prefeito empossado em 01.01.2005.
Homem afeito ao trabalho árduo da lavoura, de origem espanhola, de rígida disciplina, era, entretanto, desapegado dos bens materiais quando se tratava de beneficiar a comunidade. Assim doou à Paróquia toda a área onde hoje se concentram a Igreja Matriz de Cambira, a Praça dos Pioneiros, o Parque Infantil João Paulo I e o Salão Paroquial. Seus filhos e netos são também loteadores da Vila Santa Maria, e doadores das áreas onde estão construídos o prédio atual do PROVOPAR (antiga Prefeitura), e a preço simbólico venderam a área de 6.200 m2 para construção do Ginásio Gonçalves Dias, atual Centro Administrativo “Adelino de Melo Franco” (Prefeitura atual), bem como o da APAE, além da doação da área onde está situada a sede da Associação de Amparo aos Idosos de Cambira.
Pode ser considerado um pioneiro tanto na área rural quanto na área urbana, pois esse desapego dos bens materiais próprios em prol da comunidade é que distingue o pioneiro do homem.

ATA DE INSTALAÇÃO DO MUNICÍPIO

Ata de instalação do municipio

Aos vinte e dois dias do mês de outubro do ano de mil novecentos e sessenta e um, os vereadores eleitos para a primeira legislatura do Município de Cambira, senhores João Alves Dias, Antônio de Souza Garcia, José Belini, Henrique Laverde, Domingos Carlos, Cristino Franco, Luiz Beleze, Efigenio de Almeida Lima e Eros Boscardim Torres, sob a presidência do vereador mais idoso, cidadão Domingos Carlos, reuniram-se em a sede da Escola Paroquial de Cambira, gentilmente cedida pelo vigário local, para o fim de instalar a Câmara de Vereadores, dar posse ao seu Prefeito Municipal, eleitos todos em data de 15 do corrente. – Instalada a mesa, o senhor presidente convidou a mim, Eros Boscardim Torres, para secretariar a presente Assembléia. Em seguida, levantando todos, acompanhamos em pé o senhor Presidente do seguinte compromisso: – “Nós, cidadãos brasileiros, eleitos em data de 15 do mês em curso para exercermos o cargo de vereador à Câmara Municipal de Cambira, declaramos aceitar o mandato e a bem cumprí-lo, em defesa dos munícipes”. – Empossados que fomos em nossas funções, instalamos a mesa diretora e convidamos as autoridade presentes para constituí-la e testemunhar a instalação do Município.

Assim, tomaram assento à mesa o MM. Juiz Eleitoral da Comarca, Dr. Jorge Andrighetto, os Exmos. Dr. Marino Pereira, Prefeito Municipal de Apucarana, de cujo Município fôra desmembrado o de Cambira, Dr. Moacyr Leocadio da Silva, representante do Governador do Estado, major Ney A. B. Braga, Dr. Cristovão Soares, convidado de honra e advogado residente na cidade de Jandaia do Sul, vereadores de Apucarana, Dr. Myogi Kogure e João Haminiuk, Sr. Arlindo Brezolin, Presidente do diretório municipal do Partido Democrata Cristão de Apucarana, o vigário da Paróquia de Cambira, padre Francisco Guffi, o Sub-delegado de Polícia de Cambira, Honório Arcanjo da Fonseca, o Delegado de Polícia em exercício de Apucarana, o senhor Atilio Carleto, e grande número de assistentes.

Instalada a mesa diretora da magna solenidade, procedeu-se à eleição da mesa executiva, constituída até ulterior deliberação do futuro regimento interno, para os seguintes cargos:- Presidente, 1º Secretário e 2º Secretário. – Outrossim, deliberou-se, por unanimidade, adotar até ulterior deliberação, o regimento interno da Egrégia Câmara de Vereadores de Jandaia do Sul, dêste Estado, conforme exemplar presente à mesa, e dado conhecimento à casa, com exclusão do cargo de Vice-Presidente, previsto no aludido regimento. – Em seguida, procedeu-se à eleição dos cargos referentes, tendo sido convidados os vereadores da Comarca de Apucarana, os senhores Dr. Myogi Kogure e João Huminiuk para escrutinadores.

Apurada a eleição, foram acusados os seguintes resultados: Para Presidente:- Eros Boscardim Torres, eleito com 6 votos.- Vereador João Alves Dias 3 votos.- Para Primeiro Secretário José Belini com 6 votos. Eros Boscardin Torres 2 votos e um voto nulo. Para segundo Secretário – Efigênio de Almeida Lima com 8 votos, houve um voto em branco.- A seguir foram empossados nos seus cargos os vereadores eleitos acima referidos.

Após, assumindo a Presidência, o vereador Eros Boscardim Torres designou uma comissão constituída pelos vereadores Efigenio de Almeida Lima, João Alves Dias e Cristino Franco para introduzirem o Senhor Jordão Beleze, Prefeito Municipal eleito, o qual, saudado por prolongada salva de palmas, entrou no recinto e presente à mesa, prestou o compromisso legal nos seguintes têrmos:- “Eu, Jordão Beleze, cidadão brasileiro, eleito em data de 15 do mês em curso, Prefeito Municipal de Cambira,